Alexandre & Lixinho Verde

“Com as ciclovias e ciclofaixas em SP, tenho a possibilidade de ir a vários locais com mais segurança, mas quando não tem ciclovia ou ciclofaixa me meto no meio dos carros do mesmo jeito, afinal a cidade é de todo mundo, né?”

Quando fui para São Paulo em maio desse ano, para participar das atividades do Bicicultura, o maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo, estava hospedada na casa da minha amiga Priscila Sbampato.

Porém, eu acabei decidindo comprar uma Mountain Bike por lá, e foi uma looonga história, mas que no final deu tudo certo. Acabei precisando ficar 2 semanas a mais na cidade, e fui parar todo esse tempo no Telstar Hostel, onde conheci uma porção de pessoas interessantes, incluindo o Alexandre.

Logo fizemos amizade devido aos vários interesses em comum, dentre os principais a bicicleta e as artes. Além de produtor cultural, ele também desenha, pinta, tem alguns trabalhos de tirinhas na internet e fez um trabalho de ilustração maravilhoso na roda traseira da sua bike!
facebook.com/pessimistirinhas
facebook.com/ovelhaproducoes

Então, ele foi o primeiro fotografado deste projeto fora da esfera Belo Horizonte! Conheça um pouco mais sobre a relação com o universo ciclístico deste cearence, que já é praticamente um paulista, morando há 3 anos na capital.

_mg_7370Qual a sua relação com a bicicleta?
Minha relação com a bicicleta é de amizade. Posso dizer que meu primeiro presente realmente representativo na minha vida foi uma bike, quando eu tinha 10 anos. Tenho muito orgulho da bike que possuo hoje e consegui montar com as minhas próprias mãos ao longo de um ano: a Lixinho Verde. Eu comprei um quadro usado, do começo dos anos 80. E fui garimpando as peças até ela virar o que ela é hoje. Às vezes penso em trocar o quadro, porque esse é pra iniciantes em fixa, mas tenho um certo apego, rs.

Desde quando pedala?

Pedalo desde criança, ganhei minha primeira bicicleta aos 10 anos de idade (acho), do meu pai, mas antes disso já pegava as bikes maiores de outras pessoas pra fazer estripulias, quase sempre caía e tenho várias cicatrizes no rosto e no corpo por causa disso.

_mg_7367

Em quais situações pedala?
Pedalo sempre que posso, com as ciclovias e ciclofaixas em SP, tenho a possibilidade de ir a vários locais com mais segurança, mas quando não tem ciclovia ou ciclofaixa me meto no meio dos carros do mesmo jeito, afinal a cidade é de todo mundo, né? Quando criança eu pedalava uns 10 km lá no interior do Ceará pra pescar. Há 1 ano a bike vem sendo o meio de transporte que mais utilizo, pra ir trabalhar, pra outros afazeres e até pra ir a festas.

Que tipo de calçado você usa no pedal?
Uso o calçado que combinar com a roupa e que der vontade, desde tênis velhinhos a botas de couro.

_mg_7358

O que te motivou a pedalar?
Não sei bem o que me motivou a pedalar, sempre tive um amor muito grande por bicicletas, acho que por termos uma relação muito pessoal e direta com as magrelas. Uma bicicleta não é simplesmente um objeto, o afeto que nutrimos as tornam quase alguém. Minha bike tem sido minha família.

_mg_7377

Alexandre Marques, 24, produtor cultural, bartender e mais umas 10 coisas & Lixinho Verde, fixa.
Cearense morando em São Paulo/SP há 3 anos.

 

* O Projeto Pés & Pedais virou calendário que embeleza sua mesa e ainda ajuda as crianças! Confira nesse post e encomende para você ou para os amigos de presente.

* As fotos e ilustrações originais resultados deste experimento artístico estão à venda e podem ser solicitadas pelo contato com a artista no e-mail bruna.caldeira@mail.com.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s